Boas Práticas Boas Contas
SOLUÇÕES PARA
o Casal Morais
Casal de executivos com um rendimento alto, que gosta de viver o presente. Com alguma cultura financeira, costumam investir no mercado de capitais.
CONHECER O PERFIL DE INVESTIDOR

  • Existem muitos produtos financeiros diferentes, com níveis de complexidade, prazos de investimento, risco e rentabilidade distintos. Nem todos os produtos financeiros são adequados a qualquer investidor.

  • Cada intermediário financeiro deve oferecer ao cliente apenas os serviços e produtos financeiros adequados ao seu perfil. Para isso, é definido um perfil de investidor, que tem em consideração, nomeadamente:

  • a experiência de investimentos passada;

  • os conhecimentos em matéria de investimentos;

  • os conhecimentos quanto aos riscos associados aos diferentes tipos de produtos e a apetência pelo risco, nomeadamente, qual a perda máxima que o investidor está disposto a assumir (todo o investimento, parte deste ou até um valor superior ao aplicado).

  • A designação dos perfis de investidor pode variar entre instituições financeiras. Algumas designações mais comuns são:

  • Conservador ou prudente

  • Equilibrado ou moderado

  • Dinâmico

  • Arrojado

  • Deve sempre analisar os perfis existentes e verificar se considera adequado o perfil que lhe foi atribuído. Em caso de dúvida, ou caso considere que o perfil que lhe foi atribuído é desadequado, deve contactar o seu intermediário financeiro.

SIMULAR PARA NEGOCIAR

  • Defina qual o montante que pretende investir, durante quanto tempo, em que activos e qual o montante máximo do investimento que está disposto a perder para obter um possível nível de rentabilidade.

  • Simule quais os custos envolvidos, quer nas transacções, quer na manutenção de uma carteira de instrumentos financeiros.

  • Peça ajuda ao seu gestor de conta para compreender o seu perfil de risco e determinar qual o grau de exposição associado.

GlossárioAPB
Activos (financeiros)
Tipo de activo (bem) que um particular ou empresa detém no mercado financeiro (ex. acções, Obrigações, Títulos públicos).
Aforro
Também designado por “Poupança”. Diferença entre o rendimento disponível e o que se gasta em consumo. Aforro = Rendimento disponível menos Consumo.
Amortização do empréstimo
Também designado por liquidação de empréstimos. Processo através do qual se extingue uma dívida através do reembolso do capital.
Anuidades
Comissão cobrada anualmente pelos bancos aos clientes que possuam cartão de crédito, mesmo que não o utilizem.
Aplicação financeira
Termo utilizado quando nos referimos a um produto financeiro ou a um investimento num produto financeiro.
Aplicação
Termo utilizado quando nos referimos a um produto financeiro ou a um investimento num produto financeiro.
ATM
Também chamado de caixa Multibanco ou Multibanco, é o equipamento que permite a utilizadores autorizados (normalmente titulares de cartões válidos para transacções financeiras num determinado sistema) aceder a serviços financeiros e de outra natureza, incluindo levantamento de notas.
Banco de Portugal
Também designado por "Banco Central" tem, entre outras funções, a de regulador e supervisor do sistema financeiro nacional e velar pela sua estabilidade.
Câmbio
Também designado por taxa de câmbio ou cotação. Preço ou valor de uma moeda estrangeira expresso em moeda nacional.
Capital
É toda a soma disponível em numerário e, como tal, susceptível de aplicação.
Capital garantido
Aplicação que no final do prazo garante, no mínimo, o valor investido.
Capital investido
Montante ou valor aplicado num produto bancário ou financeiro.
Capital remanescente
O valor que fica de um todo depois de se retirar uma parte.
Capitalização de rendimentos
É a acção e também o efeito de adicionar cumulativamente a um capital os juros produzidos em consequência da aplicação desse capital.
Carência de capital
Período de tempo em que as prestações pagas são apenas compostas por juros, mantendo-se o capital em dívida inalterado. Durante este período não se amortiza, portanto, o empréstimo, apenas se pagam os juros.
Cartão de crédito
Cartão a que está associada uma conta (vulgo, conta-cartão) com linha de crédito. Permite ao titular fazer a aquisição de bens e serviços cujo montante só posteriormente liquidará, junto do emitente do cartão e de acordo com as condições estabelecidas. O levantamento de numerário está, regra geral, sujeito ao pagamento de uma comissão por cash-advance.
Cartão de débito
Meio de pagamento que permite ao titular o acesso electrónico à sua conta de depósitos à ordem, à qual o cartão está associado. Pode ser utilizado num terminal de pagamento automático (através de transferência de fundos), permitindo ainda ao seu titular efectuar as mais diversas operações em caixas automáticos.
Cartão pré-pago
Cartão em que são previamente efectuados carregamentos de determinados montantes e que posteriormente poderão ser utilizados em terminais específicos. Podem ser cartões com uma finalidade única e específica ou podem permitir a utilização para diversas finalidades.
Certificados (de depósito)
São títulos nominativos representativos de depósitos a prazo constituídos junto dos bancos que os emitem.
CFD (Contracts for difference)
Produto com elevado nível de risco, estruturado em acções ou mercadorias alavancados, podendo os investidores especular com a subida ou descida desses activos.
Cheques
Documento onde o titular da conta ordena ao seu banco (sacado) que, por contrapartida do débito da sua conta, este pague uma determinada quantia a um beneficiário, que pode ou não ser indicado.
CMVM
(Comissão do Mercado de Valores Mobiliários) Entidade que regulamenta, supervisiona e fiscaliza a actividade, o funcionamento e os agentes que intervêm no Mercado de Valores Mobiliários.
Códigos de conduta
Conjunto de regras/normas de carácter ético produzidas por uma organização que servem de orientação e regulação da sua actividade.
Comissões
Valor cobrado relativamente a serviços prestados pela instituição financeira. Pode ser um valor fixo ou variável, isto é, indexado a um determinado valor.
Comissões de gestão
Comissão debitada ao fundo. É, geralmente, uma percentagem do valor médio diário do fundo, pelo que é calculada diariamente e deduzida ao valor patrimonial do fundo. Deste modo, o valor da unidade de participação vem imediatamente líquido da comissão de gestão.
Complemento de reforma
Valor extra que aumenta o rendimento disponível quando o titular atinge um determinado limite de idade.
Condições de amortização
Pressupostos acordados entre as partes relativamente ao modo de amortização do empréstimo.
Consolidação de créditos
Junção de vários empréstimos num novo contrato que agrupa todos os créditos.
Conta colectiva
A que tem mais do que um titular, sejam esses titulares pessoas singulares ou pessoas colectivas. Estas contas, quanto à forma de movimentação, podem ser conjuntas, solidárias ou mistas. São conjuntas as modalidades de movimentação a débito em que são necessárias as assinaturas de todos os titulares...

» Ver descrição completa aqui
Conta corrente
Habitualmente referente à conta à ordem.
Conta de depósito à ordem
Permite ao titular dispor a todo o momento do seu dinheiro, conservando a disponibilidade total para requer o seu reembolso.
Conta ordenado
É uma conta de depósito à ordem que tem associado um limite de descoberto. Destina-se a clientes que recebem o ordenado/pensão através do banco por crédito nessa conta.
Conta poupança (Contas Poupança)
Conta de depósito a prazo com condições especiais para os seus adquirentes (Emigrantes; Reformado; Habitação, etc.).
Conta-cartão
Conta atribuída ao detentor de um cartão de crédito com o valor do montante atribuído pela entidade emitente do cartão.
Cotação
Preço de um valor mobiliário formado num mercado regulamentado.
Crédito (Créditos)
Direito que uma entidade, o credor, tem de receber de um terceiro, o devedor, uma ou várias prestações em dinheiro, em datas futuras.
Crédito à habitação
Todo o empréstimo que se destina à aquisição (incluindo compra e venda, pagamento de tornas por divórcio ou sucessão, permutas), construção e realização de obras de conservação ordinária, extraordinária e de beneficiação em fogo ou em partes comuns do edifício destinado a habitação própria permanente, secundária ou para arrendamento ou à aquisição de terreno para construção de habitação própria permanente.
Crédito pessoal
Também denominado como Crédito ao Consumo. São créditos com plano financeiro e são concedidos por prazo fixo, sendo o reembolso feito em prestações, em geral mensais, fixas de capital e juro.
Credores
Titular de um direito de crédito.
Débitos directos
Débito previamente autorizado pelo titular da conta do pagador, cuja operação foi iniciada pelo credor. Instrução dada por um ordenante autorizado em que especifica uma entidade a ser debitada.
Depósito
Operação bancária de captação de fundos.
Depósito a prazo
Valores depositados nas instituições de crédito, por um determinado prazo, mobilizáveis antecipadamente ou não.
Diferir o capital (Diversificação)
É uma forma de aliviar as prestações mensais do crédito à habitação. Neste caso, o devedor relega para o final do empréstimo uma parcela do capital, regra geral até 35%. O valor das prestações será menor já que estará a amortizar menos capital.
Domiciliação de pagamentos
É um serviço prestado pelos bancos para pagamento automático de contas, através de débito directo em conta (à ordem).
Domiciliação de rendimentos
Depositar na conta à ordem o resultado do rendimento. É pedido geralmente pelos bancos como contrapartida de um crédito concedido.
Empréstimo (Empréstimos)
Acordo entre o Banco e o cliente relativo a um financiamento, onde se especificam um conjunto de condições (exemplo: finalidade, montante, prazo, garantias, taxas juro, etc.).
Endividado
Pessoa ou entidade sujeita a uma dívida.
Esforço
É a percentagem do rendimento bruto ou líquido do devedor afecto ao pagamento de um financiamento.
ETF (Exchange Trading Funds)
Fundos de investimento negociados em bolsa como se fossem acções.
Ficha de Informação Normalizada (depósitos)
Documento elaborado pelo banco com informação detalhada sobre a conta a abrir e que o cliente deverá conhecer aquando da abertura da conta (Aviso 4/2009 Bdp).
Financiamento
Acordo entre o Banco e o cliente relativo a um financiamento, onde se especificam um conjunto de condições (exemplo: finalidade, montante, prazo, garantias, taxas juro, etc.).
Forex forward
Contratos cambiais a prazo, alavancados. Têm um elevado nível de risco.
Fundos de investimento
Constituídos por patrimónios ditos autónomos que pertencem a um conjunto de pessoas, singulares ou colectivas, através da titularidade de unidades de participação nos mesmos. Por este facto, as pessoas detentoras das referidas unidades denominar-se-ão participantes.
Fundos de investimento de tesouraria
Trata-se de um produto financeiro com pouco risco, que aplica pelo menos 35% da sua carteira em activos de elevada liquidez. Exclui os fundos do mercado monetário.
Fundos de investimento em acções
Produto financeiro ao qual está associado um elevado risco, uma vez que aplica em acções 75% da sua carteira de títulos.
Fundos de pensões
Patrimónios exclusivamente afectos à realização de um ou mais planos de pensões, que consistem na transferência de activos de uma empresa ou grupo de empresas para um património autónomo com o objectivo de satisfazer as obrigações daquele plano.
Ficha de Informação Normalizada (crédito)
Documento que as instituições de crédito (IC) devem disponibilizar aquando da simulação de um empréstimo aos balcões, através da Internet ou por qualquer outro meio de comunicação. Permite comparar as diferentes opções de financiamento apresentadas pelas IC. No momento da aprovação do empréstimo, a IC deve também entregar a FIN, que deve reflectir as condições finais acordadas (Instrução 45/2012 do BdP).
Garantia bancária
Garantia que consiste numa operação de crédito pela qual um banco assume perante terceiros a execução de obrigações assumidas pelos seus clientes, através de contrato firmado entre o banco e o seu cliente.
Aluguer de cofre
Serviço prestado pelo banco que cede um "espaço" autónomo e individualizado para os clientes de modo a estes ali guardarem os valores que entenderem.
Hipoteca
Garantia real que confere ao credor o direito de ser pago pelo valor de certas coisas imóveis ou móveis sujeitas a registo, pertencentes ao devedor ou a terceiro, com preferência sobre os demais credores que não gozem de privilégio especial ou de prioridade de registo.
Homebanking
Banca à distância suportada num sistema de comunicações electrónica entre o banco e o seu cliente que permite a este último efectuar determinadas operações (ex. Internet, telefone).
Indexante
Consiste na utilização de uma taxa de referência - o indexante - para a fixação periódica do juro a aplicar ao financiamento que lhe está subjacente, com o objectivo de assegurar que as prestações acompanhem a evolução do mercado.
Insolvência
Devedor que se encontra numa situação de impossibilidade de cumprir as suas obrigações vencidas.
Instrumentos financeiros autónomos
Trata-se de produtos financeiros comercializados ou subscritos em conjunto e com um nexo de dependência entre eles. Tipicamente, é oferecida possibilidade de realizar um depósito a prazo em conjunto com a subscrição de um instrumento financeiro autónomo, por exemplo um Fundo de Investimento. Instrumentos financeiros derivados.
Instrumentos financeiros derivados
São instrumentos financeiros cujo valor deriva do valor de um determinado activo subjacente (uma acção, taxa de juro, mercadorias, entre outros). São considerados instrumentos de elevado risco, pois pequenas variações no preço do activo subjacente podem provocar grandes oscilações no valor do instrumento derivado.
Intermediação financeira
Actividade das instituições bancárias que consiste na captação de recursos através da aceitação de depósitos, recursos utilizados posteriormente para conceder crédito.
Juros
É a quantia em dinheiro que o possuidor de um capital receberá pela sua aplicação. O juro é directamente proporcional ao capital e ao prazo; ou seja, quanto maior for o capital e/ou o prazo ou período de aplicação, maior será o juro.
Juros acumulados
Também designados por capitalização composta são o processo de capitalização em que o juro produzido em cada período de tempo é integrado no capital do período seguinte, vencendo também juros nos períodos subsequentes (juros de juros) e sendo pago apenas no fim do processo de capitalização.
Liquidação
Também designado por amortização. Processo através do qual se extingue uma dívida, pela entrega de prestações que incluem o reembolso do capital e, eventualmente, o pagamento de juros.
Liquidez
Facilidade ou capacidade de um bem se transformar em dinheiro. Sendo assim, o dinheiro é o bem líquido perfeito.
MBNET
O MB NET é um serviço gerido pela SIBS que permite a realização de compras na internet e o pagamento respectivo, sem nunca se divulgar os dados reais do cartão bancário. E funciona com qualquer cartão de débito ou crédito.
Mercados financeiros
Conjunto de instrumentos, mecanismos e instituições que asseguram a canalização da poupança para o financiamento - do consumo ou do investimento.
Mobilização
Proceder à liquidação de um produto financeiro na sua maturidade.
Mobilização antecipada
Proceder à liquidação de um produto financeiro antes da sua maturidade.
Montante
Valor monetário de um produto financeiro.
Montante máximo
Valor monetário máximo de um determinado produto financeiro.
Multiendividado
Pessoa ou entidade sujeita a várias dívidas, isto é, que contraiu vários (múltiplos) créditos.
Obrigações
Instrumento de financiamento das empresas e de entidades públicas, que permite que, em alternativa, por exemplo ao endividamento bancário, as empresas (as outras entidades) se financiem emitindo obrigações – títulos de dívida - que os investidores podem subscrever.
Obrigações e fundos estruturados
Produto Financeiro Complexo que, sob a forma de obrigação, permite obter a remuneração que é proporcionada por uma estrutura financeira que lhe está associada.
Operações
São operações realizadas por bancos relacionadas com produtos financeiros.
Oscilações de mercado
Alteração do valor de produtos financeiros.
Pagamentos de cheques
liquidação de um cheque, ao seu beneficiário, por crédito em conta ou entrega em numerário.
Património
Conjunto de bens e direitos patrimoniais - que têm valor monetário.
Património (pessoal)
Conjunto de bens e direitos patrimoniais que pertencem a uma determinada pessoa.
Perfil de investidor
É a classificação atribuída a um investidor face ao nível de risco que está disposto a aceitar.
Perfil de risco
É a classificação atribuída a um investidor face ao nível de risco que está disposto a aceitar.
Plafond
Montante máximo atribuído a um produto financeiro.
Plano de entrega mensal
Plano que estabelece um valor mensal a ser entregue ao credor.
Plano de entregas
Plano que estabelece u ma estrutura temporal para entregas ao credor.
Plano de poupança
Plano estruturado que permite definir a obtenção de poupanças para aforradores.
Plano financeiro
Plano estruturado que permite definir a obtenção de poupanças para aforradores com base em produtos financeiros.
Planos Poupança Reforma (PPR)
É uma aplicação de longo prazo; pode ser constituída por entregas únicas ou programadas; os benefícios fiscais existem se respeitados os prazos mínimos e a idade do subscritor na data do resgate; há PPR com taxas fixas e PPR com taxas variáveis; os rendimentos não são iguais em todos os PPR.
Poupança
Também designado por “Aforro”. Diferença entre o rendimento disponível e o que se gasta em consumo. Poupança = Rendimento disponível menos Consumo.
Prazo
Decurso temporal determinado. O prazo pode ser certo ou incerto.
Prazo do investimento
Duração temporal de uma aplicação financeira.
Prestação
Pagamento periódico.
Produto financeiro complexo
Produtos financeiros que, embora assumindo a forma jurídica de um produto financeiro já existente, assumem características que não são directamente identificáveis com as desse produto, em virtude de incorporarem riscos e características de outros instrumentos financeiros de cuja evolução depende a sua rentabilidade. O leque de produtos financeiros complexos é vasto e mutável ao longo do tempo. » Ver descrição completa
Produtos complexos sem capital garantido
Produto financeiro que não garantem o capital investido, ou seja, o investidor corre o risco de que o montante reembolsado seja inferior ao montante investido.
Produtos financeiros
Instrumentos que servem de base à captação de fundos. São um activo para o seu detentor e um passivo para o seu emitente.
Rendibilidade
Rendimento potencial gerado por uma aplicação financeira.
Reembolso
Valor a receber por liquidação de um produto financeiro.
Remanescente
O valor que fica de um todo depois de se retirar uma parte.
Remuneração
Rendimento de aplicações.
Rendas vitalícias (perpétuas)
Trata-se de uma aplicação de médio/longo prazo, especialmente criada para pessoas que queiram assegurar um rendimento periódico (renda) ao longo de toda a vida com base numa única entrega de capital (prémio único).
Rendimento Garantido
Rendimento de aplicações garantido.
Rendimentos
Quantia em dinheiro que uma pessoa aufere ao longo de um determinado período de tempo.
Rentabilidade
O mesmo que “Rendibilidade”. Rendimento potencial gerado por uma aplicação financeira.
Resgatar
Recuperar algo cedido a outrem mediante pagamento do preço.
Resgate periódico
Recuperar algo cedido a outrem mediante pagamento do preço, com pagamentos periódicos.
Resgate programado
Recuperar algo cedido a outrem mediante pagamento do preço, com pagamentos planeados.
Retorno
O mesmo que “Remuneração”. Rendimento de aplicações.
Risco de Mercado
Variação do valor de produtos financeiros em geral e, em especial de valores mobiliários, resultantes da dimensão da procura e/ou da oferta.
Saldo
Valor existente numa conta bancária.
Saldo disponível
Montante depositado numa conta bancária que é possível movimentar
Seguros de capitalização
Os seguros de capitalização, além de, na generalidade das vezes garantirem o capital investido em caso de vida, garantem ainda o pagamento do capital investido e respectiva remuneração aos beneficiários do contrato em caso de morte.
SEPA (Single Euro Payments Área)
Significa Área Única de Pagamentos em Euros e  visa permitir que particulares, empresas e administrações públicas efectuem pagamentos (em moeda escritural) em toda a área do euro, utilizando uma única conta localizada em qualquer parte da área do euro e um único conjunto de instrumentos de pagamento...

» Ver descrição completa aqui
Sistema Bancário e Financeiro
É o conjunto de organismos com intervenção directa ou indirecta nos mercados monetários e cambiais e de capitais, por exemplo, os bancos, as companhias de seguros, os gestores de fundos de investimento, as entidades de regulação, e outros.
Sobreendividado
Consumidor que se encontra excessivamente endividado, ou seja, numa situação em que os respectivos rendimentos mensais são insuficientes para fazer face às suas despesas mensais, que incluem o pagamento das dívidas contraídas.
Solvabilidade
Capacidade de cumprimento de obrigações.
Spread
Valor que acresce ao juro base, cobrado pelos bancos nas operações de financiamento.
Taxa de esforço
Taxa de esforço é a percentagem do rendimento bruto ou líquido do devedor afecto ao pagamento de um financiamento.
Taxa de juro (Taxas de juro)
É o preço pago pelas entidades que necessitam de financiamento, de modo a garantirem o acesso aos fundos de que precisam. Constitui também a retribuição de quem faz o empréstimo.
Taxa de juro fixa
Taxa que não sofre alterações durante a vigência do contrato.
Taxa de juro variável (Taxa variável)
Taxa revista periodicamente em função do indexante que lhe está subjacente e é a mais comum no mercado português. Normalmente, a esta taxa é acrescido um spread, que é variável de instituição para instituição.
TAEG (Taxa Anual Efectiva Global)
Taxa de juro anual cobrada em financiamentos. No cálculo desta taxa de juro são considerados todos os encargos suportados pelo devedor.
Taxa nominal
Taxa de juro nominal é a taxa de juro que deve ser indicada em todos os contratos de crédito e aplicações financeiras e corresponde ao período de um ano.
TANB (Taxa Anual Nominal Bruta)
Taxa de juro anual que não desconta os impostos sobre aplicações financeiras nem as comissões cobradas pelos intermediários financeiros.
Tesouraria
Uma tesouraria é um departamento de uma organização (empresa, autarquia, entidade governamental, etc.) encarregado da contabilização e da guarda do dinheiro.
Titular
É o detentor de uma conta bancária.
TPA (Terminal de Pagamento Automático)
Serviço da rede multibanco, que, para além do pagamento das compras, permite o pagamento de facturas e o carregamento de saldo de telemóveis.
Transacções
Realização de operações financeiras ou outras.
Transacções internacionais
Realização de operações financeiras ou outras entre diferentes países ou entre particulares/empresas de diferentes países.
Transferências (Transferência)
Transferência bancária é uma operação de débito numa conta de um determinado titular para crédito de uma outra conta do mesmo titular ou de outros titulares, do mesmo banco ou de outros bancos, do mesmo país ou de outros países.
Unit Linked
São contratos de seguro, do ramo vida, cujo saldo da apólice se expressa através de unidades de conta, representativas de fundos autónomos constituídos por activos do segurador ou por unidades de participação de um ou vários fundos de investimento e cuja rendibilidade está dependente da evolução do valor desses activos [Portal “Todos Contam”].
Valores mobiliários de dívida
Emissão de títulos de dívida por determinadas empresas, normalmente obrigações.
Variações de mercado
Variações no valor de um produto financeiro ou de um produto real, num dado mercado. Estas variações podem ser positivas ou negativas.
Vencimento (Fim de contrato)
A data em que termina um contrato devido ao decurso do prazo nele definido.
Volatilidade
A volatilidade é uma variável que mostra a intensidade e a frequência das oscilações nas cotações de um activo financeiro.
Warrants Autónomos
Valor mobiliário que confere ao seu titular um direito de comprar, subscrever ou vender um determinado produto financeiro.